Temporada Ocidente e Oriente: uma perspectiva comparada (2015.1)

Em parceria com o Série Clube, iniciativa também do curso de Estudos de Mídia da UFF, o Asian Club apresentou a temporada “Ocidente e Oriente: uma perspectiva comparada”. Com o objetivo de discutir questões relacionadas ao que aproxima e difere produções de perspectivas culturais díspares, considerando especialmente questões ideológicas e construções nacionais que caracterizam essas duas regiões tão complexas do globo. Escolhemos três frentes de discussão que se concretizaram como três sessões da temporada: a representação de personagens estrangeiros dentro das lógicas nacionais apresentadas, a adaptação de um produto televisivo oriental para o contexto televisivo ocidental, e a adaptação de um produto televisivo ocidental para a lógica do contexto oriental.

Na primeira sessão da temporada foram escolhidas a série estadunidense “Fresh off the Boat” e o drama de TV japonês “Itazura Na Kiss 2: Love in Tokyo” a fim de abordar a representação do indivíduo estrangeiro em meio aos contextos ocidental e oriental. “Fresh off the Boat” narra a infância e adolescência do atual chef americano-taiwanês Eddie Huang durante os anos 1990, quando sua família se muda de Chinatown, Washington D.C, para Orlando. A família, então, tem que aprender a lidar com o choque cultural ao viver fora da comunidade chinesa-americana e balancear suas tradições com o “sonho americano”. Em contraponto, “Itazura na Kiss 2: Love in Tokyo” apresenta o dia a dia do romance entre Naoki e Kotoko e um dos seus conflitos é a chegada de uma estudante de intercâmbio na faculdade em que os dois estudam. Ambas narrativas trazem personagens estrangeiros aos ambientes nacionais das narrativas e mostram as formas de adaptação dessas pessoas à cultura local. Como eles reagem? Como se relacionam com os outros personagens? Quais são os recursos narrativos utilizados para desenvolver e pontuar a presença exótica de tais personagens? Essas foram algumas das questões debatidas durante o encontro.

Já na segunda sessão, abordamos a adaptação de uma narrativa japonesa para o contexto televisivo estadunidense, trabalhando especialmente a lógica do contrafluxo global. “Power Rangers” é um grande ícone da cultura pop dos anos 1990. Com seu enredo focado em um grupo de super-heróis, caracterizados por suas cores e robôs poderosos, que estão sempre a postos para salvar o mundo do mal, a série foi produzida pelos Estados Unidos e conseguiu conquistar diversas audiências estrangeiras. Com tanto sucesso através dos anos, diferentes versões e adaptações surgiram, mas, o que poucos sabem, é que “Power Rangers” é uma adaptação da produção japonesa “Kyuryu Sentai Zyuranger”. A versão original faz parte do gênero tokusatsu, que apresenta uma gama de características da produção televisiva nipônica, e também representa um exemplo de contrafluxo, onde um produto de entretenimento do Japão conseguiu influenciar intensamente o campo audiovisual estadunidense, uma novidade para a época. Em quais pontos eles divergem? Em quais convergem e dialogam? De quais maneiras as duas versões se posicionam culturalmente? A adaptação faz jus a original? Essas foram algumas das questões levantadas a fim de compreendermos melhor esse universo.

O terceiro e último da temporada da parceria entre Asian Club e Série Clube teve a abordagem contrária a sessão anterior, debatendo, dessa vez, a adaptação de um produto televisivo estadunidense para o contexto japonês. O objeto de análise foi o desenho animado “Powerpuff Girls” e a sua versão em animê, “Demashita! Powerpuff Girls Z”. A história aborda três meninas com superpoderes, que foram criadas pelo Professor Utônio com uma mistura de “açúcar, tempero e tudo que há de bom” e de “Elemento X”, que foi derramado acidentalmente. Assim, as três meninas nasceram superpoderosas, com a capacidade de voar, além de super força, super velocidade e super sentidos. Uma adaptação japonesa foi desenvolvida em versão de mangá e logo depois foi produzida como anime, com as meninas superpoderosas salvando a cidade de Tóquio e em meio a todas as influências da cultura pop japonesa. Como a indústria cultural japonesa pensa e traduz códigos ocidentais? Como o contrafluxo é revelado e funciona nessa adaptação? A adaptação traz novidades ao original? Essas foram as indagações que encaminharam o debate e encerraram essa temporada sobre Ocidente x Oriente.

– Sessões/Produções exibidas por encontro:

Itazura Na Kiss 2 x Fresh Off The Boat

Power Rangers x Kyouryu Sentai Zyuranger

Powerpuff Girls x Demashita! Powerpuff Girls Z