Fundador da SM fala sobre shows online, robôs e avatares no futuro do K-POP

Via Koreapost

Lee Soo Man, o produtor-chefe e fundador de uma das maiores agências de música da Coreia do Sul, a SM Entertainment, mencionou o potencial de shows online, robôs e avatares no futuro para a indústria de K-pop em um evento recente. A empresa, que gerencia grandes grupos de K-pop SHINeeEXO e NCT, foi uma das primeiras na indústria musical a realizar um concerto online este ano, pois a pandemia do Coronavírus levou o governo a ordenar o distanciamento social e efetivamente bloqueou os shows tradicionais.

Após o show Beyond Live do grupo SuperM em abril, a SM se uniu à JYP Entertainment para lançar uma empresa conjunta especializada em formatos de performance online com o uso de tecnologias como realidade aumentada (AR), permitindo que os artistas e público interajam em tempo real.

Lee Soo-man, fundador da SM Entertainment. Crédito: SM Entertainment.

“Vai além de simplesmente transmitir performances offline na internet. Em vez disso, pode ser visto como uma nova forma de show otimizado on-line, permitindo interações em tempo real com os espectadores, possibilitada com a mais recente tecnologia AR e um sistema de conexão de vídeo de vários pontos”, disse Lee durante seu discurso no Fórum Mundial da Indústria Cultural que foi transmitido online. O chefe da SM disse que o formato virtual permitiu que músicos e empresas de música ultrapassassem os limites espaciais e de tempo que vinham com os concertos tradicionais.

“Durante os shows offline, devido ao acesso limitado aos equipamentos de palco e às restrições espaciais e físicas que o palco tem, a atmosfera de palco não pode ser alterada instantaneamente. No ‘Beyond Live’, tais limitações não existem, e é possível dirigir o palco livremente”, disse ele.

“Mesmo que esteja sendo realizada online, em vez de se sentirem separados, eles sentem a mesma união que fazem offline”, disse Lee, mencionando como centenas de telas mostrando fãs de todo o mundo permitem que fãs de todo o mundo aproveitem o show juntos. O show do SuperM, por exemplo, foi realizado às 15h aqui (o que não é um horário habitual para um show), para que os fãs em Los Angeles pudessem se juntar às 23h e aqueles em Paris pudessem assistir às 8h.

O guru do entretenimento, por sua vez, projetou a indústria do entretenimento para crescer ainda mais em tempos de pandemia, à medida que as pessoas ficam em casa durante o distanciamento social e passam mais tempo ouvindo música e assistindo vídeos. Para atender a essa demanda, Lee disse que áreas aparentemente rebuscadas como nanotecnologia, biotecnologia e inteligência artificial podem ser a próxima grande tendência para a indústria.

Ele apresentou o próximo grupo feminino da agência, “æspa”, a quem explicou trabalhos sobre uma combinação de músicos da vida real e artistas virtuais, ou “avatares”, dos artistas. “Este grupo é o que eu sonhei enquanto projeta um mundo futuro centrado em celebridades e avatares, transcendendo fronteiras entre o mundo real e virtual”, disse Lee Soo Man.

Foi apresentado um vídeo com a integrante Karina conversando, dançando e até realizando uma sessão no Instagram Live com o seu avatar æ-Karina. “O futuro que eu imagino será definido por um mundo de celebridades e robôs. Com a pandemia global, o mundo inteiro está praticando o distanciamento social. À medida que as pessoas passam mais tempo em casa, seu interesse e necessidades por celebridades e entretenimento estão crescendo ainda mais”, disse Lee.

Shows online de K-pop já são um sucesso e ameaçam substituir as turnês presenciais

Via Koreapost / Fonte Original: Korea Herald

Quando a epidemia do coronavírus se abateu primeiro sobre a Coreia do Sul, muitos esperavam que a indústria do K-pop fosse a que sofreria o maior golpe. Turnês mundiais foram adiadas, lançamentos a muito esperados foram retardados e showcases cancelados. De acordo com a Associação das Gravadoras da Coreia, um total de 211 concertos foram cancelados entre fevereiro e abril, acarretando perdas financeiras de quase 63,32 bilhões de wons (51,6 milhões de dólares ou quase 280 bilhões de reais).

Mas como em qualquer crise, artistas e suas companhias encontraram um jeito de se adaptar e não apenas inventar formas de driblar as dificuldades, mas até mesmo encontrar novas fontes de renda. A SM Entertainment se uniu ao buscador Naver no último mês de abril e lançou um serviço de transmissão de shows chamado Beyond Live, anunciando que “é o começo de um novo jeito de fazer shows”.

Ainda que shows já tenham sido transmitidos ao vivo anteriormente (um exemplo disso foi o show do BTS “Wembley”, disponibilizado ano passado para assinantes através do V Live, que pertence ao Naver) o Beyond Live vai além da transmissão dos shows e oferece conteúdos feitos especificamente para o ambiente virtual.

Por exemplo, o AR (sigla em inglês para Realidade Aumentada) e a tecnologia 3D permitem que tigres holográficos apareçam no palco ou que um avião voe por cima das cabeças dos artistas. Os artistas interagem com os fãs em tempo real nos intervalos das apresentações, enquanto fãs acenam lightsticks virtuais como se estivessem em uma arena.

Crédito: Qnewshub.

O show que estreou essa parceria foi do grupo Super M, em 26 de abril, durou duas horas e foi assistido por 75 mil pessoas em 109 países, de acordo com a SM. Como cada ingresso custava 33 mil wons a venda de ingressos arrecadou estimados 2,5 bilhões de wons.

Considerando que um estádio de médio porte pode acomodar em geral até 10 mil pessoas, os concertos virtuais, que não tem esse tipo de limitação, tem potencial para crescer como um novo modelo de negócios para as empresas de entretenimento.

TVXQ, até agora record de público entre as apresentações do Beyond Live com 580 mil espectadores. Crédito: Barks.

Shows de outros grupos também foram anunciados: TVXQ, cujo show se deu na madrugada último dia 24 (horário de Brasília), e por enquanto detém o recorde de audiência entres as transmissões do Beyond Live, com 580.000 espectadores, bem como Super Júnior, cujo show se deu no dia 31 de maio. NCT 127, cujo show aconteceu no último dia 16 de maio, aproveitou a transmissão ao vivo do show para lançar suas mais novas músicas “Punch” e “Make Your Day”, que fazem parte do seu novo álbum e não seriam ouvidas antes do dia 19 (horário da Coreia).

NCT 127 em seu show no Beyond Live, com uso das tecnologias AR e 3D.  Crédito: Insider.

Essas transmissões ao vivo de shows foram adotadas por causa da disseminação do atual vírus, mas eu acredito que elas vão continuar mesmo depois que a epidemia acabe” disse Jeonggi Hwang, líder da agência de entretenimento JG Star Entertainment.

Empresas maiores devem desenvolver suas próprias plataformas, enquanto companhias pequenas e médias podem fazer parcerias com plataformas de transmissão ao vivo que já existem ou até as novas que surgirem. Se alguém verificar nas lojas de aplicativos, perceberá que há muitos apps de transmissão surgindo nesses últimos tempos. Uma vez que não é fácil para os artistas se apresentarem em determinados países, as companhias esperam colher os frutos se elas estabelecerem, o quanto antes, as bases para a transmissão de concertos domésticos para fãs internacionais”.

Big Hit Entertainment, lar de artistas queridos como BTS e TXT, talvez seja a agência do K-pop com mais experiência no uso das redes sociais. Enquanto a empresa sabiamente usa plataformas populares como Twitter, YouTube e TikTok, ela também distribui conteúdos exclusivos em sua própria plataforma por assinatura, o Weverse.

Insider. Crédito: SM Entertainment.

Em março, foi lançada uma série de vídeos ensinado o idioma coreano chamada “Learn Korean With BTS” (Aprenda Coreano com o BTS), e agora em maio foi disponibilizado um documentário intitulado “Break the Silence”, que faz uma retrospectiva da turnê “Love Yourself World Tour” (2018-2019).

Para se desculpar do adiamento da turnê “Map of the Soul Tour”, a companhia disponibilizou, por dois dias e de graça, cenas de shows já realizados no canal da banda no YouTube, o BangtanTV.

Além disso, foi anunciado no último dia 07 o lançamento de um show online, o “Bang Bang Con The Live”, a ser realizado no próximo dia 14 de junho através do pay-per-view do Weverse. A Big Hit disse que vai oferecer “uma experiência de poder observar o show do BTS por vários ângulos, a partir da casa de cada Army (nome do fandom da banda)”.

As transmissões já atraíram mais de 50 milhões de pessoas, sendo o pico de 2,24 milhões. Muitos fãs acendiam seus lightsticks virtuais para mostrar seu apoio, bem como manifestavam sua alegria de poderem passar o final de semana junto com a banda e fãs de várias as partes do mundo, ainda que fosse de forma virtual.

Apesar de todas as inovações criadas para reagir ao prolongado clima de incertezas atual, muitos observadores da indústria ainda estão céticos sobre se esses shows online poderão substituir os show ao vivo à longo prazo.

Um dos elementos mais importantes para um show é a atmosfera, especialmente para apresentações em grupo. Mas mesmo com a tecnologia AR, eu não podia sentir muita emoção real. Não era muito diferente de assistir clipes no YouTube” disse o crítico de música Minjae Jung.

Ele prediz que shows online e outras novas tecnologias correlatas podem desempenhar a função de apimentar shows presenciais assim que as turnês sejam retomadas.

Talvez as bandas possam transmitir as últimas partes do show ou realizar transmissões ao vivo junto com shows presenciais para alcançar tanto fãs que não podem participar quanto locais que os artistas não possam ir”.