Papo AMSEC debate o mangá “Sigma PI” e sua utilização para o ensino de química

Crédito: divulgação.

Acontece no dia 22 de julho, quinta-feira, às 19h, o Papo AMSEC sobre o mangá “Sigma PI” e sua utilização para o ensino de química. A convidada será a Dra. Adriana Yumi Iwata que irá apresentar suas experiências no ensino e na pesquisa com animê e mangá.

Ela possui doutorado em química pela Universidade Federal de São Carlos (UFScar), no qual realizou a pesquisa “Desenvolvimento de metodologias de divulgação científica por meio de pesquisa e produção de mangás”. A pesquisadora também é autora do mangá “Sigma Pi” e do projeto “Tirinhas de Vidro” que faz parte do projeto de Jornalismo Científico, integrando as iniciativas de divulgação científica desenvolvidas pelo Centro de Pesquisa, Educação e Inovação em Vidros – CeRTEV

Crédito: divulgação.

O mangá trata sobre as experiências de estudantes no ensino médio que participam do laboratório de química Sigma Pi, tendo como protagonista a aluna Branca que é a única desse laboratório. Vão mediar a conversa os professores, pesquisadores e especialistas Helder Carvalho e Bruna Navarone. A transmissão ocorre pelo Canal do Animê, Mangá e SciFi no Ensino de Ciências no YouTube. Para realizar a sua inscrição, acesse o site do Campus Virtual Fiocruz.

A editora Kodansha e o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão lançam um novo capítulo do mangá “Cells At Work”

Via Consulado Geral do Japão no Rio de Janeiro e Olhar Digital

A editora Kodansha, em parceria com o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão, lançou um novo capítulo do mangá “Cells At Work” (働く細胞) com um tema especial, estrelando a vacina agindo no combate ao novo coronavírus. O conteúdo está disponível no YouTube, com prints em alta resolução do mangá em japonês e alguns efeitos sonoros. De autoria de Akane Shimizu, a adaptação de “Cells At Work” para anime está disponível na Netflix.

Segundo o site Olhar Digital, o novo capítulo de “Cells at Work!” foi supervisionado por Shimizu e elaborado pelos desenhistas do mangá original. Para informar de forma apropriada sobre a covid-19 na obra, a Kodansha colaborou com a Agência de Cooperação Internacional do Japão, o Centro Nacional de Saúde e Medicina Global, o programa de detecção de Covid-19 ICheck e a empresa de tecnologia AnyMind.

Ainda conforme o Olhar Digital, “Cells at Work!” mostra de maneira bem-humorada como as células do corpo humano trabalham diante de diversas situações. O mangá original foi publicado de 2015 a 2021 no Japão, e ainda está indisponível no Brasil. Em 2018, a série recebeu um anime do estúdio David Production (de ‘JoJo’s Bizarre Adventure’ e a nova adaptação de ‘Super Campeões’).

Leia o novo capítulo de Cells At Work! no link https://www.youtube.com/watch?v=0WZJ32NqWUA

Versão em inglês está em preparação e logo será lançada. Verifique o site https://shonen-sirius.com/saibou-movingcomic.html

Crédito: olhar digital.

Selo Dialogarts da UERJ lança livro “Animando as mangas – ensaios sobre animes e mangás”

Foi lançado recentemente, pelo selo Dialogarts da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), o livro “Animando as mangas – ensaios sobre animes e mangás”. Trata-se de uma iniciativa conjunta do Grupo de Pesquisa Estudos de Narratividade (Genar) e do Núcleo de Pesquisa em Quadrinhos (NuPeQ).

O projeto foi organizado por Ravel Giordano Paz, pós-doutorando em língua portuguesa pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e professor na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Nataniel dos Santos Gomes, pós-doutor em língua portuguesa, docente do mestrado acadêmico em letras da UEMS e Mateus Nascimento, pesquisador associado do Instituto Cultural Brasil-Japão e do Grupo de Pesquisa em Mídia e Cultura Asiática Contemporânea (MidiÁsia/UFF).

Crédito: http://www.dialogarts.uerj.br/

Conforme explicam os organizadores os artigos apresentados não visam apenas o público universitário, mas também o público em geral, interessado e eventualmente aficionado em animes e mangás. Por outro lado, as abordagens teóricas e metodológicas variam, indo das apresentações panorâmicas às relações com diversas áreas. “A organização dos textos no interior do volume buscou atender ao critério da diversidade, alternando, por exemplo, estudos de animes e mangás mais conhecidos com outros menos, ou obras voltadas para o público mais jovem e outras mais adultas. O objetivo desse procedimento foi assegurar certa leveza ao conjunto“, explicam. Para ler o livro, acesse o site da Dialogarts da UERJ.

Naomi Osaka será a protagonista de nova série de mangá

Via ESPN Internacional e JBox

Segundo a ESPN Internacional noticiou, a tenista Naomi Osaka, três vezes campeã do Grand Slam, estrelará uma nova série de mangá japonesa como personagem de uma revista para meninas adolescentes. A irmã de Osaka, Mari, ajudou a produzir “A incomparável Naomi Tenka-ichi” (que significa “Nº 1 do mundo”), que será publicado na revista Nakayoshi.

Conforme o site JBox, o lançamento está marcado para dia 28 de dezembro e a história será biográfica, tratando-se de uma ficção onde Naomi enfrenta aliens nas quadras de tênis no espaço. Ainda de acordo com a publicação eletrônica JBox, a série é de autoria das Gêmeas Kamikita (elas assinam assim, Futago Kamikita), as irmãs Jitsuna e Kizuna, com consultoria da irmã de Naomi Osaka, Mari, que é ilustradora e tenista. As Kamikita já escreveram diversas adaptações em mangá de Precure na revista.

Osaka, 23, tuitou no sábado, “Crescer lendo mangá / assistindo anime foi algo que uniu a mim e a minha irmã imensamente, então isso é realmente emocionante para nós duas.”, salientou. A personagem retrata Osaka com cabelo rosa e roxo e usando uma viseira amarela.

Crédito: The Week/AP/ via Twitter/@nakayosi_manga

Como informou a ESPN, ao ano passado, um de seus patrocinadores, a fabricante japonesa de macarrão Nissin Foods Holdings, derrubou uma campanha publicitária online que mostrava Osaka com pele clara. Os clipes de animação mostravam uma mulher de pele clara e olhos de corça no estilo mangá. Os críticos disseram que a representação não refletia a origem birracial de Osaka. Ela tem pai haitiano e mãe japonesa.