O consumo do audiovisual japonês foi o centro de debate em live do MidiÁsia, em parceria com a ANBEHCJA-ICBJ

Ontem, 1 de julho, o Grupo de Estudos MidiÁsia da Universidade Federal Fluminense (UFF), em parceria com a Academia Nipo-Brasileira de Estudos da História e Cultura Japonesa do Instituto Cultural Brasil-Japão (ANBEHCJA-ICBJ) realizou a live “O consumo do audiovisual japonês em tempos de pandemia” pelo Facebook do MidiÁsia. A iniciativa contou com a participação das pesquisadores Krystal Urbano, Mayara Araujo e Mateus Nascimento. A live teve o objetivo de divulgar a área de estudos do pop midiático japonês.

Durante o debate foram analisados os animes Akira, Aggretsuko e Dorohedoro, doramas e o cinema japonês. Em específico sobre Akira, os especialistas enfatizaram o caráter distópico e apocalíptico desta produção e destacaram os contrastes na forma de consumo deste anime no anos 1980 com as atuais, que ocorre via Netflix, fazendo referência à ideia de nostalgia.

Sobre Aggretsuko, os debatedores realizaram um vinculo entre o anime e a identificação com o cotidiano. Sobre os filmes, salientaram a associação do cinema japonês com a ideia de um cinema clássico, em razão dos cineastas deste país terem conquistado espaço no ocidente, em especial: Akira Kurosawa e Yasujiro Ozu. Produções atuais como Linking Love (que trata de uma viagem no tempo para os anos 1990 e traz elementos do pop japonês da época como idols da moda e doramas da época) e Tokyo Monogatari (disponível pra ser visto no youtube até semana que vem) foram também, brevemente, analisados pelos pesquisadores.

Sobre doramas, abordaram o consumo das séries japonesas no Brasil que abriu portas para outros países asiáticos com formatos diferentes como a Coreia, que tem um catálogo mais expressivo em plataformas como o Netflix. Tokyo Love Story, segundo os participantes da live, desenvolveu o gênero trendy drama, já as emulações dos outros países asiáticos saíram desse gênero. Por fim, os reality japoneses também tiveram destaque, em especial os produzidos pela Netflix (Real Love, Ainori e Terrace House) que fornecem ideias mais plurais sobre o Japão enquanto nação, para além de um Japão imaginado. Para assistir a live na integra, acesse o link abaixo.

live O audiovisual japonês em tempos de pandemia

O MidiÁsia, em parceria com a Academia de estudos da História e Cultura japonesa do ICBJ, convida para essa live na quarta-feira, aqui na página do MidiÁsia! Nossas pesquisadoras Mayara Araujo e Krystal Urbano vão conversar um pouquinho sobre o consumo do audiovisual japonês durante a pandemia de COVID-19! 🙂 A mediação será realizada por Mateus Nascimento, também pesquisador da casa!Marquem na agenda e venham participar!!

Posted by MidiÁsia on Wednesday, 1 July 2020

ANBEHCJA-ICBJ convida para live sobre “O consumo do audiovisual japonês em tempos de pandemia”

A Academia Nipo-Brasileira de Estudos da História e Cultura Japonesa do Instituto Cultural Brasil-Japão (ANBEHCJA-ICBJ) convida a todos para assistir a live “O consumo do audiovisual japonês em tempos de pandemia” a ocorrer pelo Facebook, no dia 01/07, às 16h.

A iniciativa contará com a participação das pesquisadoras Krystal Urbano e Mayara Araujo. A live tem o objetivo de divulgar a área de estudos do pop midiático japonês da própria Academia. O tempo estimado de duração do evento online é de 1h30.

Crédito: ANBEHCJA-ICBJ.

Krystal Urbano é pós-doutoranda em Comunicação pelo PPGCOM-UFF. Além disso, é doutora e mestre pelo mesmo programa. Atualmente, é pesquisadora vinculada ao MidiÁsia e à Red Iberoamericana de investigadores en anime y mangá. Coordena a área do pop midiático japonês na Academia do ICBJ.

Mayara Araujo é doutoranda em Comunicação pelo PPGCOM-UFF. Também é mestre em Comunicação e Cultura pela UERJ. Atualmente, é pesquisadora vinculada ao MidiÁsia e à Red Iberoamericana de investigadores en anime y mangá. Atua como co-coordenadora da área do pop midiático japonês da Academia do ICBJ.